O Raiz Forte Espaço de Criação recebe a exposição Coração da Casa

Essa proposta expositiva quer refletir sobre a importância do patrimônio imaterial presente na culinária votiva e na memória gustativa dos terreiros de Candomblé

Reconhecer o modo de preparo e a relação sagrada com o alimento enquanto patrimônio intangível que faz parte da identidade afro-brasileira é o que propõe a Exposição Coração da Casa, que será aberta no próximo dia 20 de setembro, no Raiz Forte Espaço de Criação, no Centro de Vitória-ES. Por meio de registro visuais (fotografia, vídeo e outros objetos), essa proposta expositiva narrará o modo de feitura do Akará, o popular acarajé, comida ritual da orixá Iansã.

Além das visitações, essa iniciativa contará com rodas de conversa sobre patrimônio cultural, cultura afro-brasileira e diversidade religiosa, e com uma programação especial na abertura e no encerramento. Toda as atividades são abertas ao público.

A Exposição Coração da Casa busca promover a valorização do saber em torno da culinária dos orixás e foi resultado de uma oficina de preparo do acarajé realizada no último mês de agosto, onde cerca de 30 participantes acompanharam, durante um dia inteiro, a rotina de uma casa de Candomblé. Essa atividade vivencial foi sediada no Ilè Asé Odé T’Ojú Òmó – Casa do Caçador, em Praia Grande, Fundão-ES, espaço religioso e ponto de memória.

Valorização cultural do Candomblé

A cultura ancestral afro-brasileira tem no Candomblé um dos principais sítios de sua expressão e preservação. Os saberes, os valores, a estética e a espiritualidade dos diversos grupos étnicos que para cá vieram através da diáspora se mantêm vivos nas práticas e no cotidiano das casas de santo. A cozinha é o espaço de maior interação nos terreiros de Candomblé. Ali se elabora, de modo comunitário, o alimento votivo – a comida dedicada aos orixás. Sua feitura demanda o trabalho coletivo dos filhos da casa, seja para atender às demandas das funções internas ou para a preparação das festas abertas à comunidade, que têm como característica a receptividade carinhosa e a fartura de alimentos aos visitantes.

São consideradas patrimônio cultural imaterial as práticas cotidianas, as expressões de vida, os modos de fazer, as manifestações artísticas, as celebrações, os rituais e os lugares onde acontecem as práticas culturais coletivas. São as tradições e os conhecimentos que comunidades, grupos e indivíduos herdam de seus antepassados e passam para as gerações seguintes. Expressão atualizada dessas raízes e uma das relações primordiais com o sagrado, o preparo do alimento dos orixás  –  iguarias que representam a ligação entre os seres humanos e seus deuses – é um saber-fazer transmitido no ambiente da cozinha: o Coração da Casa.

Sobre o acarajé

O akará, mais popularmente conhecido como acarajé, é um alimento que representa bem a ancestralidade e a importância das comidas de orixá enquanto repositório da memória ancestral. O acarajé veio com os escravos nagôs das regiões iorubás da Nigéria e do atual Benin, em terras brasileiras era oferecido às divindades nos emergentes terreiros de candomblé da Bahia desde o início do século XIX, e tomaram as ruas e o domínio público com os tabuleiros das baianas.

Comida ritual da orixá Iansã, ou Oiá, o acarajé tem origem na junção de duas palavras do iorubá: “Akàrà”, que significa “bola de fogo”, e “jé”, comer. Considerado uma comida sagrada pelas baianas, quituteiras cujas primeiras representantes eram africanas alforriadas do Brasil Colônia e cujo ofício foi reconhecido como patrimônio cultural brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2005.  

O projeto Coração da Casa conta com recursos do Fundo Estadual de Cultura do Espírito Santo, por meio do Edital nº 05/2016 – Seleção de Projetos Culturais e Concessão de Prêmio para Pontos de Memória, e com o apoio do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Ufes (NEAB) e do Raiz Forte Espaço de Criação. A realização é do coletivo cultural Iaoto – organização com 10 anos de existência e que busca promover o reconhecimento dos saberes ancestrais vinculados às religiões de matriz africana, especialmente ao Candomblé.

 

SERVIÇO – Exposição Coração da Casa

Local: Raiz Forte Espaço de Criação

Escadaria do Rosário, nº 120 – Centro de Vitória-ES

 

PROGRAMAÇÃO

1ª Semana

20/09 (quarta-feira) / Abertura – 19 às 22 horas

21/09 (quinta-feira) – das 13 às 18 horas – visitação de escolas

22/09 (sexta-feira) – das 13 às 18 horas – visitação de escolas

23/09 (sábado) – das 16 às 20 horas / Roda de Conversa: Patrimônio Imaterial  – Convidados: Babalorixá Gildo de Oxóssi e Fernanda de Castro Barbosa – historiadora e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Espírito Santo

2ª Semana

27/09 (quarta-feira) – das 15 às 17 horas / Roda de Conversa: Orixás, alimento e ancestralidade – Convidados: Babalorixá Gildo de Oxóssi, Coletivo Soy Loco por Ti e FASE – Campanha Nenhum Poço a Mais

28/09 (quinta-feira) – das 8 às 12 horas – visitação de escolas

29/09 (sexta-feira) – das 8 às 12 horas – visitação de escolas

30/09 (sábado) – das 16 às 20 horas / Encerramento com performance étnico religiosa “Akará L’Oyá”, do Coletivo Iaoto

 

Todas as atividades têm entrada franca!

 

Exposição Coração da Casa / Ficha Técnica:

Coordenador geral: Babalorixá Gildo de Oxóssi

Produção Executiva: Cristina Magdalena

Assessoria de comunicação: Paulo Gois Bastos

Assessoria pedagógica: Fabiulla dos Santos

Montagem: Coletivo Iaoto

Fotos: Clésio Júnior

Vídeo: Luara Monteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *